<PORTUGUÊS>
 
 

David Daniels: uma poesia para ser lida e vista

Jorge Luiz Antonio

Os recursos da poesia, nas infinitas tentativas de entrecruzar linguagens, são inesgotáveis. O legado poético da humanidade é exemplo inconteste disso: a cada poeta que conhecemos muitas surpresas agradáveis surgem, graças às inúmeras estratégias utilizadas, dentre as quais a migração que a poesia vem fazendo do meio impresso para o eletrônico.


É uma dessas surpresas agradáveis que pretendo apresentar: a obra impressa e eletrônica do poeta visual norte-americano David Daniels, com a qual tive o primeiro contato através do grupo eletrônico Webartery em 31 de maio de 2001, ocasião em que Jim Andrews fez uma bela apresentação de The Gates of Paradise – www.thegatesofparadise.com. David foi recebido com grande admiração pelos participantes do Webartery: muitos correios eletrônicos teceram comentários elogiosos sobre a sua poesia, especialmente quanto ao fato de se apresentar na forma impressa e na eletrônica.


O título do seu primeiro livro é significativo: The Gates of Paradise (As portas do Paraíso), mas que não é um texto religioso, mesmo contendo na capa a foto do autor em frente a um grande templo. É, na verdade, a construção de um mundo-em-palavras que nos oferece imagens e palavras num diálogo rico de linguagens, pois David faz uma espécie de grafismo por meio do computador. Trata-se de trabalho artesanal, inteligente, de muita paciência, a construir imagens com palavras e espaços em branco.


É a correta negociação do poeta com a tecnologia computacional: David afirma que, graças ao computador, é que ele pôde construir The Gates of Paradise. O computador representa a tecnologia que se adapta à sua necessidade de comunicação poética.


Folhear The Gates of Paradise é uma aventura do olhar e depois da leitura. O olhar nos oferece formas e a leitura nos traz os desvelamentos do significado das imagens e das palavras. É uma obra para ler e ver de perto e de longe, já que palavras se fazem pinturas e pinturas se fazem palavras, como costuma afirmar o poeta: "making works out of pictures and pictures out of words". E isso não é simples retórica, nem apenas jogo de palavras. É a construção da sua poesia.


David Daniels inicialmente fez obra impressa, depois a adaptou para a web. Há diferenças significativas entre ambas: a obra eletrônica, sob o título principal de The Gates of Paradise (iniciada em 1984 e publicada em 2000) se ramifica em Years (publicada em 2002) e Humans (obra em construção na web desde 2002), contém uma fortuna crítica, entrevistas e uma série de outros "gates" que o poeta tratou de forma singular; há dois tipos de obras impressas, uma edição luxuosa, especialmente dedicada a colecionadores, e outra que se encontra à venda em livrarias.


Acessar The Gates of Paradise é uma outra aventura e o ler e o ver de perto e de estarão intimamente ligados ao "zoom". Mas é claro que não é só essa a diferença da obra eletrônica: podemos ler as opiniões sobre a poesia de David, conhecê-lo melhor através de suas entrevistas, sentir a sua aceitação por outros poetas e estudiosos.


Em sua obra principal, que é o The Gates of Paradise (As Portas do Paraíso), cada poema é um "gate", que se completa com os "gates", que são os "links" para os sítios dos seus amigos. E os "gates" dos amigos é uma obra "in progress", em permanente construção, o que demonstra que David Daniels faz cada vez mais amigos. Cada "link" tornou-se uma extensão da sua obra, não um anexo, como é costume acontecer em sítios. Essa é uma outra e importante diferença entre a obra impressa e a eletrônica.


E é interessante observar que os seus amigos são pessoas e, também, as suas leituras prediletas. Assim, encontramos "gates" de W. Somerset Maughan, Guillaume Appolinaire, Símias de Rodes, Teócrito, dentre outros.
A outra obra que foi impressa é Years, uma autobiografia em poesia visual. E há uma diferença significativa conteúdo de sua poesia visual: o conteúdo compõe-se de boas narrativas. O conteúdo e a forma, antes essencialmente formados de letras em cor preta, nessa obra adquiriu cores e formatos diferentes. E os correios eletrônicos, como os que ele manteve contato com Kenneth Goldsmith, um dos integrantes da Ubu Web que muito colaborou para a publicação de The Gates, é outro exemplo de como assumir a visualidade do mundo que nos rodeia e fazer dela uma poesia.


Humans é a sua obra em andamento, na qual David constrói a biografia poética visual dos seus amigos de todos os tempos e de todos os lugares, com base numa entrevista padronizada, pois todas as respostas devem ter um máximo de dez palavras. Pessoas, imagens, palavras e sons formam a nova experiência poética do nosso poeta predileto. Uma nova configuração começa a se delinear: o poeta já começa a incluir sons em seus poemas, e trabalha com uma série de palavras-imagens com cores diferentes.
É preciso ver a poesia de David Daniels de dois modos: o significado dos signos lingüísticos de que cada poema é constituído, e pelo rápido olhar as formas que a sua obra nos oferece em cada poema. Ou seja, um olhar para a palavra e outro para a imagem que se forma com e por meio delas.


O agradável da leitura está nas descobertas: a da forma e a do conteúdo. No primeiro olhar, vemos imagens. No segundo, imagens que se formam de letras. Um terceiro olhar mais atento nos oferece letras em agrupamentos que nem sempre formam palavras. A leitura nos traz o significado das palavras. Palavras e imagens dizem a mesma coisa? Não. A riqueza de significados das palavras é complementada pelas imagens.


Não é somente a forma que encanta o leitor quando vê a poesia de David Daniels. O terceiro olhar, que é o da procura de significados, e ele é também surpreendente, oferece a leitura das primeiras palavras que já nos seduzem a continuar a leitura.


E isso nos traz duas grandes constatações: ora o texto é poesia, ora o texto é uma narrativa bastante sintética, calcada na visualidade e sonoridade das palavras, e também na evocação que o conjunto poético sugere.


A leitura do sexto poema da parte "1962 Anto I", do livro Years, é um exemplo do que estamos falando. O primeiro "verso", se é que posso chamar assim, é composto de quatro repetições da expressão "my horses". Há uma carga sonora bastante significativa, sílabas átonas e sílabas tônicas: my HORses my HORses ... Isso foi a primeira coisa que chamou a atenção, pois veio à mente o som e a imagem de cavalos trotando.


Há, também, um outro elemento que chama a atenção. O terceiro olhar percorre a página à procura de letras para formar palavras. É uma espécie de interatividade visual, pois leva o leitor para os caminhos que o poema construiu. Isso faz lembrar a escrita sem pontuação do escritor português José Saramago, que conduz o leitor a construir significados de acordo com o número de palavras que ele agrupa num conjunto de textos sem pontuação. Isso é semelhante à não linearidade do hipertexto e o trajeto que cada (e-)leitor faz na web por meio dos linques que escolhe.


David Daniels é natural de Newark, Nova Jérsei, e nasceu em 11 de outubro de 1933. Meu contato com ele tem sido via Internet e posso dizer que o conheço de algumas fotografias e das idéias que compartilhamos em língua inglesa. A entrevista que o poeta concedeu a Regina Célia Pinto e a mim foi extremamente importante para conhecer a bondade e a alma do homem, do poeta e do artista – http://arteonline.arq.br/museu/interviews/david.htm.
Já podemos contar com uma bibliografia significativa sobre o poeta: os comentários de John Strausbaugh – http://www.ubu.com/papers/daniels.html -, um texto do próprio poeta para o Cosign 2002 (Computational Semiotics for Games and New Media http://www.cosignconference.org/, uma entrevista concedida ao também poeta visual Michael Basinski - http://www.ubu.com/papers/daniels_interview.html -, o comentário de Regina Célia Pinto a respeito de sua participação no poema "SAAD1" - http://www.thegatesofparadise.com/, dentre outros.


A vida em palavras-imagens e/ou em imagens-palavras – assim poderíamos conceituar, de forma bem geral, a poesia visual de David Daniels, esse norte-americano que pacientemente produz uma poesia impressa, mas que está estreitamente vinculada à tecnologia computacional. Um poeta de hoje, que sabe negociar com a tecnologia aquilo que ela pode lhe oferecer para produzir uma nova poesia.

 
<ENGLISH>
 
David Daniels: a poetry to be read and seen

Jorge Luiz Antonio

The poetic legacy of mankind is an unquestionable example of splendid richness: each poet we know brings many agreeable surprises due to the poetic strategies he/she uses, among them the migration of poetry from printed medium to the electronic one.


This is one of the pleasant surprises I intend to present: the printed and electronic work of the North-American visual poet David Daniels, with whom I had first contact through the e-group Webartery in May 31rst, 2001, when Jim Andrews made a fine presentation of The Gates of Paradise – www.thegatesofparadise.com. David’s work was received with great admiration by the participants of Webartery: many e-mails were eulogies to his poetry, especially for his use of both the printed and electronic medium.
The Gates of Paradise, the title of his first book is expressive: It is not a religious text, It has on its cover the author's photo in front of Rodin’s Gates of Hell. It is, in fact, a world of words which offer images and texts in a rich dialogue of languages, for David makes a kind of graph of draughtsmanship by means of the computer. It reveals an intelligent and creative workmanship, much patience in building images with words and white spaces.
It is a fair negotiation with computational technology: David states that only with the computer could he have elaborated The Gates of Paradise. The computer represents the technology which mirrors his need for poetic communication.


Turning over the pages of a printed The Gates of Paradise is an adventure of looking and then of reading. The look offers us shapes and the reading brings us the unveiling of the meaning of images and words. It is a work to read and see close and distant, since the words change into pictures and pictures become word, or, according to what the poet says: "making words out of pictures and pictures out of words". And this is not either just rhetoric, nor play with words. It is indeed the construction of his poetry.


David Daniels initially did printed work, and then adapted it to the web. There are meaningful differences between them: the electronic work, under the main title of The Gates of Paradise (begun in 1984 and published in 2000) ramifies in Years (published in 2002) and Humans (work under construction on the web since 2002), it contains a lot of comments on David's works, interviews and a series of other "gates" which the poet treated in a unique way; there are two types of printed works, a magnificent edition specially dedicated to collectors, and an other which is on sale in U. S. libraries.
Accessing The Gates of Paradise is another adventure and the reading and the seeing close and distant will be intimately linked to the "zoom" of the human eye and/or the .pdf. But of course this is not the difference with the electronic work: we can read the opinions of David's poetry, we can know him better by means of his interviews, we can feel his reception by poets and scholars, and so on.


In his main work, which is The Gates of Paradise, each poem is a "gate", which completes with other "gates", which are links to David's friend's sites. HUMANS the "gates" of friends is a work in progress in permanent construction, which demonstrates that David Daniels makes more and more friends all the time. Each link became an extension of his work, not an annex, as is a common occurrence in many sites. This is another difference between the printed and the electronic in The Gates of Paradise.
And it is interesting to notice that David’s friends are not only people but also, his favorite readings. So we find "gates" of W. Somerset Maugham, Guillaume Appolinaire, Simias of Rhodes, Theocritus, among others.


His other work, which was also printed, is Years, an autobiography in visual poetry. And in Years is another difference in his visual poetries: the contents are narratives, very good narratives. The content and the form, essentially made of black letters before, now have different colors and shapes in this new book. And the emails - as the ones in which he kept in touch with Kenneth Goldsmith, the editor of Ubu Web, a great collaborator in the publication of The Gates – are another example of how to assume the visuality of the world which is around us and make it become poetry.
Humans (is) his work in process, in which David is elaborating his friends' of all times and places visual poetic biographies is based on a pattern interview in which the answers should contain no more than ten words. Persons, images, words and sounds form the new poetic experience of our favorite poet. A new configuration begins to be delineated: the poet already starts including sounds in his poems and works with a series of words-images with different colors.


It is necessary to see David Daniels' poetry in two ways: the meaning of linguistic signs with which the poem is built, and by looking at the shapes that are in each poem. That is, a look at the words and another at the image that is formed by means of the words.


The agreeableness of the reading is in its discoveries: the one of the shape and the other of the content. At first sight, we see images. At second sight, there are images made out of letters. The more attentive third look offers us letters grouped that do not always form words. The reading brings the meaning of the words. Do words and image say the same thing? No. The richness of meaning is complemented by images.
It is not only the form that enchants the reader. The third look, which is the search for meanings, and it is also so surprising, offers the reading of the first words that seduce us to go on reading.


And it assures us two great evidences: sometimes the text is poetry, sometimes it is a very short narrative, as is common in the classic Persian poetry of Saadi, and also of course in Shakespeare’s plays. Shakespeare so often changes from poetry to prose to poetry to evoque differences in feeling, intellect, level, and humor: It is based in visuality and sonority of the words, and also in the evocation that the conjoint suggests.


The reading of the sixth poem of the part "1962 Anto I", from the book Years, is an example of what we are talking about. The first "verse", if I might call it, is composed by four repetitions of the expression "my horses". There is a very meaningful sound load, that is, atonic syllables and tonic syllables: my HORses my HORses ... This was the first thing which called our attention, for it came to our mind the sound and image of trotting horses.
There is, also, another element that calls our attention. The third look passes through the page in search for the letters to make words. It is a kind of visual interactivity, for it drives the reader to the ways the poems are built. It makes us remember the writing without punctuations of the Portuguese writer Jose Saramago, which leads the reader to make meanings according to the number of words he/she can gather to make sense. This is similar to the non linearity of hypertext and the trajectory each reader makes on the web by means of the links he/she chooses.


David Daniels was born in Newark, New Jersey on October 11th, 1933. Our contact has been by email and we can say we know him by some photos and by some ideas we have shared in English language. The interview he gave to Regina Celia Pinto and me was extremely important to know the kindness, the soul of the man, of the poet and of the artist who is David Daniels – http://arteonline.arq.br/museu/interviews/david.htm.
We already can count on a significant bibliography of the poet: the comments of John Strausbaugh – http://www.ubu.com/papers/daniels.html -, a text by the poet himself for the Cosign 2002 (Computational Semiotics for Games and New Media – http://www.cosignconference.org/cosign2002/papers/Daniels.pdf), an interview given to the visual poet Michael Basinski – http://www.ubu.com/papers/daniels_interview.html -, the comments by Regina Celia Pinto about the collaboration in the poem "SAAD1" - http://www.thegatesofparadise.com/humans/REGINACELIAPINTO_SAADI.pdf, among others.


The life in words-images and/or in images-words – that is the way we can define, in a general way, the visual poetry of David Daniels, this North-American who patiently creates a printed poetry, which is narrowly linked to the computational technology. A poetry of nowadays that knows to negotiate with technology what it can offer to produce a new poetry.